Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
A Cia. Encena vem desenvolvendo desde sua fundação em 1997, um trabalho que visa estudar e analisar o Homem dentro de um contexto social e político em diferentes fases da história. Buscamos um teatro onde o espectador se divirta; se emocione; reflita; identifique o meio em que vive ou viveram seus antepassados; compreenda a si e a seus semelhantes e tenha por fim, a esperança e a crença de que ele pode e deve melhorar o mundo. Contato: encenaproducoesartistica@gmail.com e https://www.facebook.com/encena.ciadeteatro Endereço: Rua Sgto Estanislau Cústodio, 130 Jd Jussara Vila Sonia Telefones: 2867-4746 (fixo) e 98336-0546 (Tim)

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Sábado e Domingo no Encena

Sábado, 12/09 às 20h30, acontece uma das últimas apresentações de "Janeiros... Pirou, Jussara? Pendurar a Vovó no Banheiro?!"
Vê se não perde.

Sinopse: A luta de uma vizinhança contra as enchentes, como essas pessoas são atingidas e reagem as circunstâncias de um temporal (do ceticismo crítico a religiosidade) , bem como a relação do poder público e da mídia com esse tipo de situação. Com a aparição de personagens surrealistas e alegóricos, trazendo uma dose de humor em meio a tragédia, seja transportando o público para uma festa de casamento ou para o meio de um temporal produzido pelo grupo.
Duração: 80 minutos     Gênero: Tragicomédia   Classificação Etária: Livre


E Domingo 14/09, às 18 horas é dia de Encena Recebe, com a Cia. TeArte e o espetáculo "Corpo Simples-mente - Às vezes e as Vozes da Consciência".

Sinopse: Duas atrizes cada uma em seu momento. Duas mulheres com suas sensações e seus conflitos, seja na periferia do mundo ou perdidos no próprio interior, mostram que mesmo estando nas condições mais precárias podemos pensar e transformar.
O corpo e suas possibilidades cênicas são a base e a razão desse trabalho que tem a poesia, a dança, as artes visuais, a performance e o teatro como criação de fronteiras entre linguagens, possibilitando um encontro de pensamento e sensibilidade entre “artista” e “público”.
Ficha Técnica
Criação Dramatúrgica: Cia TeArte     Direção: Loz-2962
Elenco: Andrea Neres e Viviane Neres     Imagem-Escultura: Loz-2962
Espetáculo Teatral Adulto
Duração: 60 minutos     Quando: 14/09/2014 - Domingo às 18h

TODA PROGRAMAÇÃO É GRATUITA
Reservas: encena@encena.art.br ou pelos telefones 2867-4746 (fixo) e 98336-0546 (Tim)


ESPAÇO CULTURAL ENCENA
Rua Sargento Estanislau Custódio, 130 Jd. Jussara-Vila Sônia Cep 05534-030
(travessa da Av. Pirajussara a 500 metros da Av. Francisco Morato)
Contato/Reservas/Informações: 11 2867-4746 (fixo) e 98336-0546 (Tim)
Capacidade: 70 lugares

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Em outubro de volta: Nos 80!

Nos 80!
4 únicas apresentações em outubro/2014.


No dia de seu aniversário de 40 anos o quarentão Brigue, enquanto espera a visita da mulher da sua vida, ao som de muito rock romântico, faz um passeio por sua juventude, vivida nos anos 80.

O Autor fala da peça


Nos 80...
Sou um imaturo.
Aos 22 anos escrevi uma peça de teatro sobre um cara que ia completar 30 anos. Naquele tempo (imaginem só), achava que completar 30 anos era o equivalente a me tornar um ancião. Tinha medo de chegar aos 30 sem me transformar em um astro do rock, encontrar uma garota legal ou ganhar dinheiro. Pois é...
Escrevi “Nos 80...” A peça tem esse nome porque a adolescência de Brigue (o tal personagem) foi vivida nos anos 80 – que, vamos combinar, foi um desastre em diversos sentidos (principalmente o estético, eu acho). Ainda assim, Brigue acreditava que, justamente, nos anos 80, ele perdeu a chance de se tornar um astro do rock, arrumar uma namorada ou ganhar dinheiro.
Quando terminei de escrevê-la tive a sensação de que tinha escrito uma comedia de humor triste.
O fato é que o tempo passou e ninguém montou o “Nos 80...” Eu até me senti aliviado por poupar o público e os amigos deste texto.
Mas...Há poucos meses, o ator e diretor Orias Elias me ligou e dizendo que queria montar o espetáculo – só que para isso eu teria que envelhecer o personagem em 10 anos. Agora, Brigue estaria completando o seu aniversário de 40 anos.
Ok, não sei dizer não e, sinceramente, não tenho nada a perder com a montagem de uma peça que escrevi quando não tinha nenhuma noção do que era escrever uma peça. O combinado foi que eu reescrevesse o “Nos 80.”. e deixasse o personagem mais maduro.
No princípio, me empolguei com o fato e reli o “Nos 80...” (coisa que não fazia desde muito tempo). E para a minha surpresa não consegui reescrever nada (acho que acrescentei duas ou três novas referências). Não que eu ache o texto uma obra-prima, mas alguma coisa em mim me impediu de mexer em Brigue.
Fiquei feliz e triste: Ainda tenho os mesmos questionamentos de quando eu tinha 22 anos. Sou um desastre!
Sinceramente, espero que vocês se divirtam com a minha imaturidade.