Quem sou eu

São Paulo, SP, Brazil
A Cia. Encena vem desenvolvendo desde sua fundação em 1997, um trabalho que visa estudar e analisar o Homem dentro de um contexto social e político em diferentes fases da história. Buscamos um teatro onde o espectador se divirta; se emocione; reflita; identifique o meio em que vive ou viveram seus antepassados; compreenda a si e a seus semelhantes e tenha por fim, a esperança e a crença de que ele pode e deve melhorar o mundo. Contato: encenaproducoesartistica@gmail.com e https://www.facebook.com/encena.ciadeteatro Endereço: Rua Sgto Estanislau Cústodio, 130 Jd Jussara Vila Sonia Telefones: 2867-4746 (fixo) e 98336-0546 (Tim)

domingo, 27 de dezembro de 2009

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Seguem as primeiras noticias dos Ossos do barão na net

Panorama Brasil

http://www.panoramabrasil.com.br/Noticia.aspx?idNot=311605


Destaque SP

www.destaquesp.com/index.php/Cultura/Teatro/os-ossos-do-barao.html



Chamada na home (rotativas), no box de Cultura:

www.destaquesp.com


Home do canal de Cultura (rotativas):

www.destaquesp.com/index.php/component/option,com_janews/Itemid,238/view,janews/


Home do subcanal de Teatro:

www.destaquesp.com/index.php/Cultura/Teatro/

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Final de Ano!


E como é tradição nesse domingo houve o churrasco natalino e troca de presentes entre os integrantes da Encena.

Mais um ano de trabalho que ainda não acabou, aliás que começa agora com os últimos preparativos para a estréia dos "Ossos do barão" no teatro Ruth Escobar dia 08 de Janeiro de 2010.

2009 foi um ano cheio de realizações, o Espaco Encena começou a funcionar e começamos a todo vapor com 3 espetáculos..

Depois do churrasco tivemos a última apresentação desse ano do espetáculo Jingle Bells.

Temos que agradecer por esse ano e que venham anos melhores, sempre, para todos nós.

Obrigado, obrigado, obrigado...

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Primeira etapa cumprida!!



Se é que pode-se dizer isso em teatro.

Da produção a temporada uma peça é cheia de etapas e quando a gente pensa que pode descansar lá vem outra e outra e as vezes a mesma novamente!!!

Sexta-feira passada fizemos o último ensaio aberto dos "Ossos do Barão". Algumas pessoas compareceram e deram suas opiniões, era esse o intuito.

Teatro é isso, é troca. Sem a troca não é teatro.

Queríamos testar o espetáculo e foi muito enriquecedor.

Estressante pra variar, pois teatro é um vôo de trapézio sem rede. Não adianta, é essa adrenalina que nos mantém ali, firmes e as vezes nem tão fortes, mas ali!!

Tivemos que conviver com estranhamentos, nervosismos, maquiagem borradas, cabelos desarrmados, piadas perdidas, entradas fora de hora, enfim tudo que um ensaio de teatro pode nos oferecer.

Tivemos também momentos lindos de pura beleza, domínio da técnica e de sentimentos. Cenas poéticas, vibrantes, de intensa magia. é como se aqueles personagens existissem realmente e estivessemos numa janela do tempo, compartilhando daqueles acontecimentos... mas como nem tudo são flores.

Quem nunca teve vontade de esganar uma atriz ou um ator de raiva?

Você pensa e as vezes diz: A gente repetiu tanto isso!! Discutiu e olha o que ele (a) está fazendo?!


Está tudo conforme combinado, teatro é isso também: confiar.

E é acima de tudo paciência.

Foi uma fase gratificante e gostaria de agradecer a esses atores e atrizes que bravamente nos acompanham nessa nova empreitada. Começaremos uma nova etapa no dia 08 de janeiro de 2010 no Teatro Ruth Escobar na Sala Dina Sfat.

Lá é a prova de fogo!

sábado, 14 de novembro de 2009

Jingle Bells!! jingle bells, la la la la!!!!





































Hoje o dia começou com a frase: "o ator é um operário da arte!" dita enfáticamente pela colega Lourdes Bastos no ensaio dos "Ossos do Barão".
Hoje estréia a peça "Jingle Bells" do Claudio Simões" produção capitaneada pelas operárias Flávia D´Álima e suas escudeiras Lídia Sant´Anna e Thânia Rocha. Produto de muita batalha
A peça está Linda!
Quando lemos esse texto há alguns anos, gostamos de cara do humor pesado e quase grotesco do autor bahiano.
As meninas estão lindas e conseguiram com muito êxito colocar essa escola na avenida e olha que colocar um espetáculo em cena não é tarefa das mais fáceis. Só por isso merecem nosso respeito e minha admiração.
A peça está bonita e isso é o primeiro passo!
O visual está alegre, cenário aconchegante, figurinos de acordo (esse item é meio cabrito eu dizer qualquer coisa, uma vez que dei consultoria. Mas vale ressaltar que a atriz produtora e quase tudo, D´Álima, deu a última palavra. Então vale o elogio!) e o Roberto!
A única ressalva que faço é pra trilha que as vezes destoa e parece descolada das cenas.
A miss D´Álima está muito bem e enche os olhos vê-la desfilar sua Elisa tresloucada de solidão. A Flávia é uma dessas atrizes que transpira beleza e sensualidade em cena, mesmo com um pacote de fralda geriatrica usada nas mãos! Está segura e completa.
Lídia e Thania também não deixam a desejar e seguram suas cenas com ritmo, aptidão e vontade. Estão inteiras em seus pápeis. Um detalhe aqui e outro ali não as desetabilizam. Estão jogando um bolão.
Palmas, vivas e sucesso a essas três guerreiras!!
E que esse natal seja repleto de alegria e sacos de dinheiro que ninguém é ferro!!!

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

PROGRAMAÇÃO

NOVEMBRO

QUINTA-FEIRA






















SEXTA-FEIRA

SABADO

Espaço de Cultura Encena
Rua: Sargento Estanislau Custódio, 130
Butantã

domingo, 8 de novembro de 2009

"O barão" está chegando!!!

Segue algumas imagens dos nossos cansativos, mas gratificantes ensaios!!





A primeira pergunta que se ouviu quando o Orias resolveru montar a peça do Jorge Andrade foi: - Por que montar essa peça?
- Porque eu gosto!

É um bom motivo pra se começar a querer montar um espetáculo! As outras motivações vem sempre depois, e teatro é preciso gostar, amar.
É muito trabalho, muito sacrificio, muitas repetições.
Muita coisa engraçada, muito loucura, muita bobagem... é suor e lágrima!
Nessa montagem encontramos alguns novos colegas.
Pessoas maravilhosas que só o teatro coloca em nossas vidas.
Primeiro veio a Debora Muniz com sua força, personalidade a se juntar nessa jornada; depois encontramos a Dora Copolla no teste que precisamos fazer depois que tivemos uma desistência no elenco; A Sylvia Malena nos encontrou depois que nós tinhamos desistido de encontrá-la; A Lourdes Bastos e O Roberto (esqueci o sobrenome dele!!!) chegaram a pouco tempo, espero que eles estejam gostando da estada. Nós estamos!
A Dani, O Cadu, O Orias, Jacintho, Zu também estão no elenco.
A Ana, O Wagner e eu(Walter) completamos a equipe do espetáculo.
Wl.
















terça-feira, 6 de outubro de 2009

COMO NASCE UM CABRA DA PESTE

23 DE OUTUBRO
ESPAÇO DE CULTURA ENCENA
RUA SARGENTO ESTANISLAU CUSTÓDIO, 150 - JD JUSSARA
INFORMAÇÃO : 8336-0546


domingo, 6 de setembro de 2009

Orias Elias

Nasceu em Gardênia cidade do interior de São Paulo. Teve uma infância normal, de menino de interior. Sempre foi estudioso. Tinha as melhores notas. Os professores me adoravam e vice-versa. Sempre fui amigo dos meus mestres.
Seus primeiros contatos com o teatro foram através dos circos que eventualmente se apresentavam em sua cidade. Na época, duplas sertanejas apresentavam os seus “dramas”, que eram espetáculos absurdamente melodramáticos, com o “ponto” soprando o texto.
Nos anos 70 a TV Globo apresentava um programa chamado “Caso Especial”, onde eram apresentados clássicos do teatro e da literatura Universal. Foi então que eu assisti Sófocles, Dostoievski, Gogol, Ariano Suassuna, Alexandre Dumas e uma infinidade de autores clássicos e adaptações excelentes, interpretados por grandes atores com Fernanda Montenegro, Sergio Brito, Paulo Gracindo, Sergio Cardoso e tantos outros que se tornaram minhas referências.

Houve conflitos familiares?
Nunca, meus pais adoram me assistir no palco.

Você estudou?
Escola de teatro, em São Paulo. Acho importantíssimo e temos escolas ótimas. A escola ensina técnica e prepara o ator para a carreira. Talento é fundamental, mas não basta, tem que estudar, trabalhar, se exercitar.

Quais as dificuldades você ver em ser artista?
Todas as profissões apresentam dificuldades. O artista, que em regra tem uma ansiedade dentro de si em expressar sua arte, sofre um pouco mais, mas também se diverte mais. Nenhum trabalho é bom se não for divertido e prazeroso realiza-lo.

O que você tem consumido de cultura e como você avalia?
Vejo mais cinema e Teatro. Tenho visto filmes sensacionais e também espetáculos estupendos. Tem muita coisa boa rolando nos palcos. Procuro assistir ao máximo de espetáculos quando não estou atuando. O teatro vive hoje um momento de enorme qualidade. Há montagens maravilhosas em cartaz. Quando o assunto é talento, não há crise.

O que você costuma ouvir?
MPB. Sou apaixonado. Curto tanto cantores da geração atual quanto das gerações anteriores. Vou de Negra LI a Maria Bethânia e me amarro em Dalva de Oliveira. Sou louco por samba, curto bolero, tango, chorinhos. Sou eclético nessa área.

Assiste programas de televisão? Quais?
Já assisti muito. Hoje não mais. Gostava de assistir novelas, mas parei há alguns anos. Mas curto muito TV. É um veículo praticamente indispensável hoje em dia. Hoje, com os canais fechados, temos muitas boas opções. É só escolher com critério. Não tenho qualquer preconceito. Adoro.

Como foi fundar a Cia e como é a convivencia?
Foi um processo. Começamos com um primeiro trabalho e fomos caminhando. Uma coisa meio brasileira, sem grandes planejamentos, mas com paixão e como em qualquer relação de convivência traz conflitos, de vez em quando um estranha o outro. Mas os conflitos devem ser administrados. Para isso basta bom-senso e respeito.

Qual a vantagem de fazer parte de uma cia.?
Participar de uma Companhia é a possibilidade de se montar aquilo que você gosta e poder estar sempre exercitando seu ofício, sem depender de convites externos, nem de um mercado de poucas oportunidades de trabalho. É a forma que encontramos de viabilizar nosso projeto de vida.
Tem algum espetáculo que ficou marcado?
Caindo num lugar comum, todos são importantes no momento em que são montados. Gosto de todos. Tenho ciúmes dos meus personagens, uma doideira. Alguns marcaram mais, outros menos, mas todos são muito queridos.

Cite um personagem que ficou marcado na sua carreira?
O judeu Shylock de “O Mercador de Veneza”

Como é feita a escolha dos espetáculos?
A partir de leituras, sugestões e temas que interessem ser contados naquele momento.

O que você está lendo atualmente?
Estou mergulhado no texto da peça “Os Ossos do Barão”, e estou com mais 4 livros iniciados, presente de amigos: uma biografia, dois textos teatrais e até um livro esotérico.

Qual texto você gostaria de montar? Por que?
Vários. Quero montar outras peças de Shakespeare, sonho com a montagem de um texto de Ariano Suassuna. Quero montar um Goldoni e também um texto russo. Espero conseguir.

Por que não montou ainda? Qual a principal dificuldade?
Uma Companhia sem patrocínio tem que caminhar devagar para não tropeçar e desmoronar. Uma montagem, por simples de que seja demanda tempo e dinheiro. Por isso, nem tudo que se quer montar é possível num determinado momento.

Você pensa em fazer TV, cinema, publicidade?
Nenhum preconceito contra qualquer veículo, mas não tenho paciência para correr atrás. Se algum dia aparecer uma oportunidade, faço, mas não me angustia não fazer. Minha paixão continua sendo o teatro. É a minha praia, é onde me sinto feliz.

Conte-me um pouco sobre os seus últimos trabalhos?
Meus últimos trabalhos foi o Duque de Bragança de “Leonor de Mendonça” do Gonçalves Dias, que eu adorei fazer e duas comédias do meu amigo Gilberto Amendola: “Nos 80” e “Sex Shop Café”. Adoro os textos do Amendola, ele é a minha paixão, tenho grande apreço por este jovem e talentoso autor.

Quais são os projetos futuros?
Para este ano, a montagem de “Os Ossos do Barão” de Jorge Andrade, um velho sonho e ainda um projeto para incrementar a utilização do teatrinho que construímos na sede da Cia.

O que você diria para aqueles que querem iniciar uma carreira hoje?
Qualquer carreira que se abrace, é preciso dedicação. Nenhum médico sai famoso da universidade. Prestígio se conquista com trabalho. O ator iniciante tem muita ilusão e ego inflado. É preciso ter humildade, e predisposição para o trabalho e aprendizado. A menos que o cara seja abençoado pela sorte, é preciso batalhar e acima de tudo perseverar.

Escreva o que tiver vontade de postar nesse blog.
Sem o teatro eu seria uma pessoa infeliz. O exercício da paixão é o maior presente que nos damos.

sexta-feira, 10 de abril de 2009

BREVE MUITO BREVE, CONHEÇA NOSSO ELENCO NUMA LINDA E GOSTOSA ENTREVISTA.
BEIJÃO E AGUARDO SEUS COMENTARIOS!!!!

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

a liga SubÁquatica contra o Monstro da Poluição


"... Eu tenho um camarão como bichinho de estimação.... pq o camarão é o lixeiro das águas.... quando eu crescer eu quero ser lixeiro, esrá que eu posso estudar pra ser lixeiro?"
Dougras
Trecho do espetaculo infantil
"A liga SubÁquatica contra o monstro da poluição" em cartaz na seda da Cia. de Teatro Encena.
Rua. Sargente Estanislau Custódio, 130
Butantã